Whatsapp da Amparo: novo canal de comunicação com clientes

A Viação N. S. Amparo está disponibilizando, em caráter experimental, mais um canal de comunicação com os clientes. O objetivo é dinamizar e minimizar as questões relacionadas às informações sobre horários, dúvidas sobre itinerários, notícias sobre o trânsito e interdições de vias que possam afetar a chegada ao destino.

O canal funciona diariamente entre 7h e 21h, pelo WhatsApp no número:

(21) 99236-6902.

Moradores da região metropolitana sofrem com constantes assaltos a ônibus

Cidade Alerta, Rede Record – 18/10/2018

Quem precisa usar o transporte público nas regiões de Niterói, São Gonçalo e Maricá convive, diariamente, com o medo da violência. A câmera de segurança de um coletivo flagrou a movimentação de criminosos. Pelas imagens, é possível ver o momento em que dois homens entram no ônibus. Um deles vai para o fundo do coletivo e o outro permanece ao lado do motorista e o obriga a apagar as luzes internas. Enquanto um criminoso exibe uma arma, o outro aproveita para roubar os passageiros e o motorista. Esta região teve um aumento no número de roubos a coletivo este ano. Até o momento, já foram registrados 1221 crimes do tipo, este número representa um aumento de 20% em relação ao mesmo período do ano passado.

Assista aqui.

Quadrilha de assalto a ônibus usa mulher para não levantar suspeita

O Fluminense, 13/10/18. Por Pamella Souza.

Criminosos armados costumam agir nas Rodovias RJ-104 e RJ-106, além da Alameda São Boaventura

Os casos de roubos a ônibus na região de Niterói, São Gonçalo e Maricá vêm aumentando mês a mês e já ultrapassaram a marca de 1 mil neste ano, uma média de quatro assaltos por dia. Para não chamar a atenção dos motoristas na hora da parada para o embarque de passageiros, uma quadrilha está utilizando uma mulher nas ações. Somente na última terça-feira, quatro ônibus que circulavam pela Rodovia RJ-104 foram alvo deste bando, que também costuma agir na RJ-106 e na Alameda São Boaventura, no Fonseca.

A mulher, ainda não identificada pela polícia, foi flagrada pelas imagens das câmeras de segurança de um dos coletivos. De acordo com o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj), a mesma jovem participou de outros crimes na semana passada, na mesma rodovia.

Na primeira semana de outubro, três assaltos foram registrados pelas câmeras internas dos coletivos. Em uma das imagens, a mulher sobe no veículo na altura do Getulinho, na Alameda São Boaventura, por volta das 21h30, acompanhada de dois homens. Eles ordenam que o motorista apague as luzes para evitar que a ação seja percebida por quem passa pela via.

A assaltante, bem-vestida, com cabelos longos e uma tatuagem nas costas, recolhe os pertences dos passageiros com a ajuda de um dos comparsas, enquanto o outro aguarda na porta, com a arma apontada para o motorista. O trio desembarca poucos metros à frente, na subida da Caixa d’Água.

No dia 29 de setembro, os mesmos dois homens, dessa vez sem a mulher, já haviam abordado outro veículo no mesmo ponto de ônibus, às 1h26 da madrugada. O desembarque também acontece no mesmo lugar: subida da Caixa d’Àgua. Esse bando participou de outro caso ocorrido na última terça-feira, por volta das 21h. Em algumas imagens, os integrantes aparecem usando o mesmo boné.

O Setrerj aponta que os assaltantes costumam embarcar e desembarcar em pontos predeterminados, com um cúmplice em um carro de escolta para facilitar a fuga, geralmente para comunidades próximas.

Além da Alameda São Boaventura, pontos da RJ-106 são escolhidos para a abordagem aos motoristas, como na altura das passarelas do Arsenal, Areal e Engenho do Roçado. Na RJ-104, os locais mais comuns de embarque são perto da garagem da Viação 1001 e na passarela de Tribobó. O sindicato ainda sinaliza que os assaltos nas proximidades do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) se tornaram mais frequentes, após um breve período de melhora.

“A situação nova é a presença de uma mulher nos assaltos, o que não acontecia antes. Mas os assaltos vêm se repetindo nos mesmos pontos das rodovias, normalmente nos mesmos horários, e muitas vezes com os mesmos assaltantes. Desde o início do ano, nosso banco de dados já registrou mais de 830 incidentes. É uma média de mais de três por dia”, apontou o superintendente do Setrerj, Márcio Barbosa.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes Rodoviários de Passageiros de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac), alguns motoristas adotaram o uso de aparelho de choque para defesa pessoal, por conta da agressividade dos assaltantes.

Dados – Neste ano, o número de casos divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) nas cidades de Niterói, São Gonçalo e Maricá já chegou a 1.086 até agosto. Isso representa um aumento de 21% em relação ao mesmo período do ano passado, quando haviam 896 ocorrências de roubo a coletivos.

Somente no mês de agosto, última estatística divulgada pelo ISP, esse aumento foi de 84%, passando de 119 casos no ano passado para 219 neste ano.

Questionado sobre um possível aumento do patrulhamento, diante do aumento de casos, o comando Batalhão de Policiamento em Rodovias (BPRV) informou que o efetivo da unidade é aplicado em ações preventivas e repressivas.

“O patrulhamento dinâmico atende ocorrências a partir de chamados da central 190 e o patrulhamento ostensivo em locais onde a mancha criminal é mais acentuada”, informou o BPRv, através de nota.

Aumenta número de assaltos na Rodovia Amaral Peixoto, foram 200 nos últimos dois meses

RJ TV, Rede Globo, 13/10/18

Em média, três ônibus são roubados todos os dias.

Passageiros e rodoviários não aguentam mais ser assaltados na Rodovia Amaral Peixoto – Rodovias RJ-104 e RJ-106, vias que passam por Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá. Em média, três ônibus são roubados todos os dias – foram mais de 200 assaltos nos últimos dois meses.

Apenas no último dia 4 de outubro, houve quatro assaltos a coletivos ao longo da via – os roubos são cometidos em horários variados.

“É sempre uma surpresa a cada vez que paramos para pegar um passageiro. Já fui assaltado duas vezes. Segunda-feira é sempre o pior dia”, lamentou um motorista.

“Eu entro e presto muita atenção nas pessoas que estão sentadas e também em quem entra. Mas nunca fico tranquila. Há sempre a expectativa de que alguma coisa vai acontecer”, explicou uma passageira.

Segundo dados do Instituto de Segurança Pública, apenas nos oito primeiros meses do ano, foram registrados, na região de São Gonçalo, Maricá e Itaboraí, 1.366 assaltos a ônibus – um aumento de 34% em relação aos 1.016 roubos ocorridos no mesmo período do ano passado.

“As empresas criaram um banco de dados para auxiliar as autoridades no poder de polícia. Nós fornecemos imagens, os dados relativos aos assaltos e localização para que a polícia possa saber onde os esses crimes mais ocorrem. Infelizmente esses roubos se repetem nos mesmos locais e com as mesmas pessoas. Nós estamos pedindo socorro”, disse o superintendente do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro, Márcio Coelho Barbosa.

A Polícia Civil explicou que vem investigando esses crimes por meio de depoimentos e de imagens do circuito interno dos ônibus. Já a Polícia Militar informou que tem feito policiamento ostensivo na região pediu que a população denuncie os roubos ligando para o 190.

Assista aqui.

Circuito SEST SENAT de Caminhada e Corrida de Rua

O SEST SENAT promove a 5ª edição do Circuito SEST SENAT de Caminhada e Corrida de Rua, organizada pela unidade B89 – Paciência.

Haverá circuitos de 10 km e 5 km para corrida, de 2 km para caminhada e sorteio de brindes. O evento será realizado no próximo domingo, dia 16 de setembro, às 8h, no Recreio dos Bandeirantes (Av. Lúcio Costa, 18.000 – Praça Tim Maia).

Increva-se aqui!

 

Programa de Direção por Simulador completa mais um ano

Educadores e funcionários das empresas de ônibus avaliam as vantagens de participar do Programa Direção por Simulador, implementado pela Universidade Corporativa do Transporte – UCT/Fetranspor.

O programa tem revolucionado o treinamento de profissionais em termos de segurança, economia e logística das empresas.

O sucesso tem sido gratificante para todos. Confira no vídeo abaixo!

Grupo Galo Branco colabora com o INCA

No último mês de julho, a viação Galo Branco disponibilizou um ônibus para levar alguns membros do Centro Espírita Miguel, localizado no bairro Abolição, na Zona Norte do Rio de Janeiro, para doarem sangue no Instituto Nacional de Câncer (INCA). O INCA é o principal órgão auxiliar do Ministério da Saúde responsável por desenvolver e coordenar ações integradas para o diagnóstico, prevenção e controle do Câncer no Brasil, além de prestar assistência médico-hospitalar gratuita aos pacientes que apresentam a doença. O instituto possui o serviço de Hemoterapia, exclusivo para a doação de sangue.

Para quem quiser dar a sua contribuição, entre em contato pelos telefones: (21) 3207-1580 / 3207-1021 / 3207-1058 ou acesse aqui.

Empresas de ônibus criam banco de dados sobre assaltos a coletivos (CBN, 11 de agosto de 2018)

Márcio Barbosa, superintendente Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio, fala sobre o assunto

Empresas de ônibus criam banco de dados sobre assaltos a coletivos. O Estado do Rio de Janeiro tem 42 assaltos a ônibus por dia. Por causa disso, o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado resolveu ajudar, por conta própria, as investigações da polícia. Márcio Barbosa, superintendente da entidade, deu mais detalhes sobre o assunto.

Ouça aqui.

Empresas de ônibus do Rio fazem mapeamento dos assaltos (Jornal Nacional, 9 de agosto de 2018)

Banco de dados tem data e hora dos roubos, número do ônibus, lugar de embarque e desembarque dos bandidos, número da ocorrência na Polícia Civil e muitas imagens.

Jornal Nacional, Rede Globo, 9 de agosto de 2018

No Rio de Janeiro, com tantos assaltos a ônibus, empresários do setor resolveram por conta própria ajudar as investigações da polícia.

Ônibus que têm como destino um assalto. Imagens mostram que os casos se repetiram 42 vezes por dia no estado do Rio, em 2018.

Um ônibus foi roubado nesta quinta-feira (9), poucos antes das 5h, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio. Dois homens se fingiram de passageiros. Um foi até o fim do corredor, o outro ficou ao lado do motorista. Ele olhou para fora, viu que não tinha polícia e agiu. O ladrão atacou passageiro por passageiro. A bolsa dele foi vai ficando pesada.

Em outro vídeo, o motorista percebe que o ladrão não está armado e corre atrás dele.

“A gente sempre embarca e sai medo, com essa insegurança”.

“Pedindo a Deus que corra tudo bem na viagem”.

As empresas cansaram de registrar tantos casos na delegacia. Para dar mais segurança aos passageiros, elas resolveram por conta própria fazer um mapeamento dos assaltos. Montaram um banco de dados. As informações ficam à disposição da polícia para ajudar no patrulhamento e nas investigações.

O Sindicato das Empresas da Região Metropolitana do Rio chama o banco de dados de “relatório dos assaltos”. Tem a data e hora dos roubos, o número do ônibus, o lugar de embarque e desembarque dos bandidos, o número do registro de ocorrência na Polícia Civil e muitas imagens.

As empresas dão até uma forcinha para a polícia indicando com setas os suspeitos armados.

O último balanço apontou um aumento de 40% no número de assaltos em duas rodovias que cortam a região.

“Nós temos um banco de dados que está à disposição das autoridades para ser usado. Existe a promessa, mas na pratica, as empresas têm constatado que a situação, absolutamente, não mudou’, afirma Márcio Barbosa, do Sindicato das Empresas da Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

“A polícia, seja ela Militar, Civil ou PRF, ela deve ter acesso a todas essas informações. A polícia vem fazendo o máximo possível, vem colocando uma série de ações, visando colocar mais efetivo nas ruas. Principalmente policiais que eram das UPPs, estão, hoje, fazendo policiamento em ônibus”, diz o major Ivan Blaz, porta-voz da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

“Não dá para ir trabalhar em paz, infelizmente não dá. Imagina, então, passar o expediente inteiro torcendo para não ser roubado de novo.”

“É tão grande a tensão, que para você manter um ônibus daquele, acelerando, porque os bandidos mandam você ir embora. ‘Vai embora, vai direto, vai embora, não para nem para descer, nem para subir’. Você tendo que manter o controle da situação, manter o controle do ônibus, estar atento com ele, com a pista, e ao mesmo tempo com 50 pessoas que estão dentro do carro. Essa é a rotina, e é todo dia, praticamente. É todo o dia”, conta um motorista de ônibus que não quis se identificar.

Assista a reportagem clicando aqui.

Ônibus que atendem Região Metropolitana do RJ tiveram 5 assaltos por dia esse ano (Bom Dia Rio, 9 de agosto de 2018)

Foram mais de 900 assaltos no primeiro semestre de 2018. Mais dois assaltos foram realizados em coletivos da linha Amparo nesta quinta-feira (9 de agosto)

Bom Dia Rio, Rede Globo, 9 de agosto de 2018

Os assaltos nos ônibus que passam pelas rodovias RJ-104 e RJ-106 aumentaram em 2018, no primeiro semestre do ano foram registrados cerca de 5 delitos por dia. As linhas que atendem os moradores de São Gonçalo, Niterói e Maricá, na Região Metropolitana do Rio, têm constantes casos de violência.

Nesta quinta-feira (9), dois ônibus da linha Amparo, que atende a cidade de São Gonçalo., foram assaltados. Apesar de terem os pertences levados, nenhum passageiro ficou ferido.

“A gente sempre ouve o comentário de pessoas conhecidas que tiveram esse problema. Sempre embarcamos com medo. Não tem como fugir disso, tem que pedir muita proteção a Deus e seguir. A gente sempre embarca e sai com medo por causa da insegurança”, disse a professora Suelen.

De acordo com os dados do Instituto de Segurança Pública do Rio, foram mais de 700 assaltos no primeiro semestre de 2017. Os dados são referentes aos casos registrados em Niterói, São Gonçalo, Maricá e Itaboraí. Em 2018, no mesmo período, o índice subiu para 900.

“O contato nosso com as autoridades é intenso e diário. Eles falam que ações estão sendo promovidas no sentido de combater os assaltos. É insustentável essa situação com o passageiro, quando se fala em mobilidade a segurança pública faz parte dessa mobilidade”, disse Márcio Barbosa, superintendente do Sindicato das Empresas de Transporte do Estado.

Assista a reportagem clicando aqui.

Dia do rodoviário foi comemorado nesta quarta-feira

Várias placas pela cidade vão homenagear estes profissionais

Comemorando o Dia do Rodoviário, 25 de julho, o SETRERJ, a Autopista Fluminense, a NitTrans e a Ecoponte vão exibir mensagens em homenagem aos profissionais responsáveis por transportar diariamente milhares de pessoas. Mais de 18 mil profissionais trabalham com o transporte rodoviário, como motoristas, cobradores e nas áreas de operação, manutenção e administração, nas cidades de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Tanguá. Eles transportam 36 milhões de pessoas por mês.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jornal Cidade de Niterói, 24/07/18

Setrerj auxilia autoridades no combate a assaltos na região

Assaltos a ônibus aumentam nas regiões de Maricá, Itaboraí, São Gonçalo e Niterói

O tema foi matéria do RJ TV 1ª Edição, da Rede Globo, de hoje.

A reportagem mostrou que os casos de assaltos a ônibus chegaram a cinco por dia só no primeiro semestre do ano na região de Itaboraí, São Gonçalo, Niterói e Maricá. Imagens de câmeras de segurança de um ônibus mostram os assaltantes rendendo motoristas e passageiros dentro dos ônibus.

De acordo com o repórter Diego Haidar, os passageiros estão assustados e os motoristas, traumatizados. Para quem ganha a vida dirigindo ônibus, trabalhar virou sinônimo de preocupação. Eles são orientados a nunca reagir, para a segurança de todos, mas não há como se acostumar com algo que virou rotina: dirigir com uma arma apontada para a cabeça.

Dois motoristas relataram que os casos têm se tornado cada vez mais comum e que eles estão com medo de dirigir sob a mira de uma arma:
“Três assaltantes fizeram sinal num ponto normal, entraram e pagaram a passagem em dinheiro. O primeiro entrou, quando passou na roleta já começou a agredir duas senhoras que estavam na frente, pedindo telefone, carteira, aliança, pedindo tudo e agredindo, sem as pessoas fazerem nada. Roubaram todos os passageiros. É difícil, você olha no retrovisor, vê o cara com a pistola apontando para você, gritando, mandando ir direto, xingando, e você não pode fazer nada, você se sente um nada. A família fica muito preocupada. A gente sai todo dia sem saber se volta, porque assalto todo dia tem, chegar em casa é um alívio”, desabafou um condutor.

“Comigo entraram dois. Um passou, no meu caso usaram até cartão RioCard. Você acha que é pessoa comum, que você para embarcar ou desembarcar, não tem essa regra. Entraram e é terror. Com a arma apontada para mim e, que se eu não fizer, vai acontecer isso, vai acontecer aquilo. Começa a esculachar passageiro, começa a agredir”, relatou outro motorista.
O susto passa, mas o trauma fica. Amanhã é outro dia, mas o risco é o mesmo. Segundo o ISP, foram registrados 938 casos de roubos a ônibus em Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá só no primeiro semestre de 2018, o que representa crescimento de 23% na comparação com o mesmo período de 2017.

O Setrerj criou um banco de dados sobre os assaltos e repassa as informações para a polícia. “A gente atende a população, prestamos um serviço de transporte coletivo. A gente precisa que as autoridades nos ajudem, já que eles têm o poder de polícia”, afirmou Márcio Barbosa, superintendente do Setrerj.

A PM alega que faz o patrulhamento na região, incluindo revistas nas estradas.

Assista aqui.

Setrerj trabalha para apoiar Polícia Militar no combate a assaltos

Cresce número de assaltos a ônibus em Niterói

CIDADE ALERTA RJ, 18/07/2018

Câmeras de segurança de ônibus que circulam por Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, flagraram diversos casos de violência dentro de coletivos. Um levantamento feito pelo Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro aponta um crescimento de 40% neste tipo de crime na grande Niterói. Com um relatório detalhado de cada um dos assaltos praticados nos coletivos, o estudo foi encaminhado para os órgãos de Segurança Pública no Estado. Em nota, a Polícia Militar informou que os batalhões responsáveis pela área realizam, constantemente, abordagens em motos, carros e ônibus com o objetivo de reprimir ações criminosas.

Setrerj lança campanha do agasalho, em parceria com a Pestalozzi de Niterói

G News Portal de Notícias, 08 de junho de 2018

Foi iniciada a 6ª edição da campanha “Doe um Agasalho”, organizada pelo Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário do Rio de Janeiro (SETRERJ). A iniciativa incentiva a população a doar agasalhos, cobertores e mantas a quem precisa. As doações são encaminhadas à Associação Pestalozzi de Niterói, que atende uma população carente de cerca de 15 mil pessoas, incluindo crianças, adultos, idosos e pessoas com deficiência.

Somente no ano passado, o SETRERJ arrecadou mais de 270 peças de roupas e cobertores durante a campanha. As doações podem ser feitas, até o dia 31 de julho, nas salas SETRERJ de Niterói, Itaboraí, São Gonçalo e Maricá.

(Veja a publicação original aqui.)

Setrerj lança campanha do agasalho em parceria com a Pestalozzi de Niterói

Jornal Cidade de Niterói, 08 de junho de 2018

A 6a edição da campanha “Doe um Agasalho” foi lançada pelo SETRERJ (Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário do Rio de Janeiro). A iniciativa incentiva pessoas a doarem agasalhos, cobertores e mantas, que não estão sendo usados, para pessoas que precisam. As doações são encaminhadas para a Associação Pestalozzi de Niterói, que atende uma população carente de cerca de 15 mil pessoas entre crianças, adultos e idosos, incluindo pessoas com deficiência.

Somente no ano passado, o SETRERJ arrecadou mais de 270 peças de roupas e cobertores durante a campanha. As doações podem ser feitas nas salas SETRERJ de Niterói, Itaboraí, São Gonçalo e Maricá.

Mais informações: www.setrerj.org.br

Salas SETRERJ:

Niterói – Terminal Rodoviário Presidente João Goulart – Av. Visconde de Rio Branco s/n – Centro

Itaboraí – Rua Raimundo de Farias, 193 – Centro

São Gonçalo – Rua Dr. Alfredo Baker, 605 – Alcântara

Maricá – Av. Roberto Silveira, 152 loja B – Centro

(Veja a publicação original aqui.)

Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário do Rio lança campanha do agasalho

Diário do Transporte, 08 de junho de 2018

Está no ar a 6ª edição da campanha “Doe um Agasalho”, promovida pelo SETRERJ – Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário do Rio de Janeiro.

A campanha incentiva a doação de agasalhos, cobertores e mantas para a Associação Pestalozzi, de Niterói. A Associação atende uma população carente de cerca de 15 mil pessoas entre  crianças, adultos e idosos, incluindo pessoas com deficiência.

Na edição de 2017 da Campanha o SETRERJ arrecadou mais de 270 peças de roupas e cobertores.

As doações podem ser feitas nas salas SETRERJ localizadas nas cidades de Niterói, Itaboraí, São Gonçalo e Maricá.

Mais informações: www.setrerj.org.br

Salas SETRERJ:

Niterói – Terminal Rodoviário Presidente João Goulart – Av. Visconde de Rio Branco s/n – Centro

Itaboraí – Rua Raimundo de Farias, 193 – Centro

São Gonçalo – Rua Dr. Alfredo Baker, 605 – Alcântara

Maricá – Av. Roberto Silveira, 152 loja B – Centro

Por Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes.

(Veja a publicação original aqui.)

Setrerj lança campanha do agasalho em parceria com a Pestalozzi

Niterói News, 08 de junho de 2018

O SETRERJ – Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário do Rio de Janeiro acaba de lançar a 6a edição da campanha “Doe um Agasalho”. A campanha incentiva as pessoas a doarem agasalhos, cobertores e mantas, que não estão sendo usados, para pessoas que precisam. As doações são encaminhadas para a Associação Pestalozzi de Niterói, que atende uma população carente de cerca de 15 mil pessoas entre  crianças, adultos e idosos, incluindo pessoas com deficiência.

Somente no ano passado, o SETRERJ arrecadou mais de 270 peças de roupas e cobertores durante a campanha “Doe um Agasalho”. As doações podem ser feitas nas salas SETRERJ de Niterói, Itaboraí, São Gonçalo e Maricá.

Mais informações: www.setrerj.org.br

Salas SETRERJ:

Niterói – Terminal Rodoviário Presidente João Goulart – Av. Visconde de Rio Branco s/n – Centro

Itaboraí – Rua Raimundo de Farias, 193 – Centro

São Gonçalo – Rua Dr. Alfredo Baker, 605 – Alcântara

Maricá – Av. Roberto Silveira, 152 loja B – Centro

(Veja a publicação original aqui.)

Fetranspor: Retomada gradativa do abastecimento

A Fetranspor informa que, com a retomada gradativa do abastecimento de combustível com o apoio das forças de segurança, as empresas de transporte estão cada vez mais próximas de normalizar a operação em todo o Estado.

Nesta terça-feira, a frota em circulação está em torno de 60%, com a perspectiva de aumento durante o dia, garantindo o atendimento à população.

A continuidade do abastecimento é imprescindível para a regularização dos estoques de óleo diesel das empresas e a manutenção do serviço de transporte público em todo o Estado.

Fetranspor: Mobilidade Notícias nº 56

NTU alerta à necessidade de garantia do abastecimento de diesel para normalizar serviço de ônibus

Redução no preço e maior prazo no reajuste do diesel são pontos positivos do acordo firmado com o governo

Apesar do acordo firmado com o governo, que garantiu a redução no preço do diesel e maior prazo para os reajustes, o setor de transporte público por ônibus urbano ainda enfrenta dificuldades para normalizar o serviço diante do desabastecimento do óleo diesel.

A Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), que participou da reunião da última quinta-feira, na Casa Civil, tem a expectativa de que a situação do abastecimento do combustível se normalize o mais rápido possível, mas entende que será necessário empenho das autoridades nos estados e municípios para priorizar o transporte público e assegurar a prestação desse serviço de natureza essencial à população. As empresas estão em contato direto com a NTU, informando os esforços empreendidos para manter os ônibus nas ruas; várias cidades já retomaram o serviço, mas muitas ainda operam com frota reduzida devido à falta de diesel.

“O transporte público segue operando com frota reduzida, isso está sacrificando toda a sociedade. Nosso desejo é que o abastecimento se normalize o mais rápido possível. A greve já cumpriu seus objetivos e o país merece voltar à normalidade; apelamos aos caminhoneiros autônomos por essa compreensão”, afirma o presidente executivo da Associação, Otávio Cunha.

Assim como os caminhoneiros, o setor de transporte público por ônibus urbano também vinha  sofrendo com a política de preços da Petrobras e considera um avanço a redução no preço do diesel na refinaria, de R$ 0,46 por 60 dias, que neutraliza os reajustes no preço desse combustível nos últimos meses, bem como a periodicidade maior para as correções de preços, que passam a ser mensais, permitindo  um mínimo de previsibilidade para as empresas operarem.

Para a NTU, que tem como bandeira histórica a luta por uma política de preços diferenciados para o setor, essa proposta permanece na pauta. “A NTU continuará trabalhando pela busca de um preço diferenciado do óleo diesel para o transporte público por ônibus, como vem fazendo há mais de 20 anos”, afirma Otávio Cunha. Ele destaca que o transporte público é um direito social assegurado na Constituição, assim como saúde e educação.

Segundo Otávio Cunha, o preço do diesel sempre esteve acima do preço da gasolina. “Nosso levantamento recente mostra que de 1999 a 2018 o diesel aumentou 193,07% a mais que a gasolina e 248,8% acima do IPCA (inflação). Isso é incompreensível no país em que a economia está voltada para o transporte rodoviário de cargas e passageiros”, avalia o presidente.

Fetranspor: Comunicado sobre desabastecimento de óleo diesel

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro  (Fetranspor) informa que o desabastecimento de óleo diesel atingiu, nesta quarta-feira, um ponto extremamente crítico para a operação das empresas de transporte público, provocando impactos diretos na circulação dos ônibus em todo o Estado.  Levantamento realizado, nesta manhã, estima em até 40% o percentual da frota que não foi para as ruas por indisponibilidade de combustível, comprometendo o transporte de passageiros, especialmente na Região Metropolitana.

Desde a noite de terça-feira, as empresas estão buscando alternativas para superar o desabastecimento provocado pela greve dos caminhoneiros, que impede a reposição dos estoques de combustíveis nas garagens, um serviço essencial à operação que é realizado diariamente. Na tentativa de manter o transporte, os ônibus estão sendo abastecidos, em caráter emergencial, em postos de gasolina, já que as reservas de óleo diesel nas empresas estão completamente comprometidas, com previsão de se esgotarem em até 24 horas.

O cenário para quinta-feira pode ser agravado caso o abastecimento não seja normalizado, levando à retenção nas garagens de um número maior de ônibus, podendo atingir até 70% da frota. O consumo de óleo diesel chega a 2 milhões de litros por dia em todo o Estado.

A alta no preço do óleo diesel é um fator que preocupa também o setor de transporte público e pode causar sério impacto para a população. De 2017 para 2018, foram registrados reajustes de 40% no valor do combustível. Trata-se do insumo de segundo maior peso no custo de operação das empresas de transporte público.

Sest Senat irá qualificar cobradores para atuarem como motoristas

O Sest Senat qualificará, gratuitamente, 1.500 cobradores do transporte coletivo urbano de passageiros para atuarem como motoristas profissionais. É o que prevê o projeto Qualificação Profissional para Cobrador no Transporte Coletivo de Passageiros. Em fase piloto, o projeto será desenvolvido em cinco Unidades Operacionais: Curitiba, Belo Horizonte (Jardim Vitória), Fortaleza, Rio de Janeiro (Deodoro) e São Paulo (Vila Jaguara).

Para participar do projeto Qualificação Profissional para Cobrador no Transporte Coletivo de Passageiros, a regularidade do cadastro da empresa onde o candidato trabalha junto ao Sest Senat é fundamental. A empresa deve ter como atividade econômica principal o transporte e deve atuar no transporte coletivo urbano de passageiros.

As inscrições estão abertas e poderão ser realizadas até as 17h do dia 16 de maio de 2018, horário de Brasília.

Para informações acesse aqui.

Fonte: Portal Fetranspor

Clube de Vantagens do Rodoviário Fetranspor

Se você é rodoviário e trabalha em alguma das empresas de ônibus do estado do Rio de Janeiro, então já faz parte do Clube! Para usufruir todos os descontos e vantagens, basta apresentar, em uma das lojas ou instituições conveniadas, o seu crachá funcional (ou contracheque) e a carteirinha do Clube.

Acesse agora mesmo!

Ebook eSocial

Conduzindo o setor de transporte de passageiros

O eSocial é um sistema que veio para unificar todas as informações da vida profissional do colaborador.
É uma obrigação do governo federal e exige a revisão de processos de trabalho e de dados da sua organização.
Por isso é preciso mais atenção para andar na linha, evitando multas que serão emitidas online!
Para não ficar perdido neste novo cenário, acesse o guia customizado para o setor de passageiros.

CLIQUE AQUI E BAIXE O EBOOK DA UCT!

Fagundes motiva equipe para o Carnaval

Para motivar a equipe no Carnaval, a Fagundes criou um concurso de marchinhas envolvendo envolvendo os grupos de manutenção e administrativo.

Os temas das composições foram voltados para conscientização da responsabilidade no trânsito e saúde.

A iniciativa contou com muita alegria de toda a equipe.

 

Ampliada a luta contra o abuso. Denuncie!

Lei Estadual cria Programa de Prevenção ao Assédio no Transporte Coletivo Público e Privado

Assédio é crime.

O Programa de Prevenção ao Assédio no Transporte Coletivo Público e Privado, criado no Estado do Rio de Janeiro pela Lei 7.856, de 15/01/2018, visa coibir situações de abusos e constrangimentos nos coletivos.

Guarde informações que ajudarão na identificação do agressor, tais como: características físicas, horário e linha do ônibus em que ocorreu o assédio.

Denuncie pelos telefones:

190: Polícia Militar
197: Polícia Civil,
180: Central de Atendimento à Mulher ou
0800 282 0119: Alô Alerj SOS Mulher

Lei no Rio prevê campanha para inibir assédio sexual no transporte público

Está em vigor no estado do Rio de Janeiro a Lei 7.856, que cria o Programa de Prevenção ao Assédio nos Transportes Coletivos Públicos e Privados. Sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão no início desta semana, a lei de autoria da deputada estadual Marcia Jeovani (DEM) contém recomendações às concessionárias para coibir esse tipo de abuso.

O texto obriga empresas de transporte a colar, no interior dos veículos, em estações e terminais, cartazes que incentivem a denúncia e orientem passageiras sobre como identificar o agressor, reunindo informações sobre as caraterísticas físicas do abusador e o local do ocorrido. Os adesivos devem exibir ainda os telefones da Polícia Militar (190) e da Central de Atendimento à Mulher (180), por exemplo. As vítimas devem guardar informações como horário, linha, roupa do agressor e características físicas dele.

Em 2015, o instituto de pesquisa Datafolha revelou que uma em cada três passageiras contou ter sido vítima de alguma forma de violência sexual em ônibus, trens e metrôs. A deputada Marcia Jeovani lembra que muitas vítimas têm vergonha de registrar a ocorrência e, com a campanha, a expectativa é encorajá-las. “Sabemos que, no fundo, muitas das mulheres se sentem culpadas, ficam com vergonha da maneira como as pessoas vão receber essa denúncia e acabam se calando, deixando passar.”

A lei estadual replica texto semelhante aprovado no município de Niterói, na região metropolitana, pela Câmara de Vereadores, em setembro de 2017. A lei contou com apoio das empresas de ônibus locais, que já discutem com a equipe da vereadora Talíria Petrone (PSOL), autora do projeto original, o tom adequado da campanha que será exibida nos veículos.

É importante que os cartazes nos meios de transporte não reforcem estereótipos e sejam elaborados em parceria com organizações de mulheres ou especialistas, defende a coordenadora da organização não governamental Criola, Lúcia Xavier. A entidade, cujo objetivo é a defesa e promoção dos direitos das mulheres negras, ganhou quatro prêmios no Cannes Lion, festival publicitário mais importante do mundo, por uma campanha contra o racismo no Brasil.

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), em comunicado por e-mail, disse que é a favor de campanhas nos ônibus e de outros mecanismos contra a violência. A entidade não informou, no entanto, quando implementará a medida nem o orçamento destinado à afixação dos cartazes, assim como ao layout  das peças e à capacitação de rodoviários.

Mesmo que a lei não deixe clara as formas de implementação do programa de prevenção ao assédio, Lúcia Xavier destaca que a iniciativa é importante, por ter sido pensada para proteger as mulheres, as maiores vítimas do abuso. Ela disse que a mudança de cultura para acabar com o assédio e abusos leva tempo. A lei do Rio, completou Lúcia, estimula a sociedade a discutir o tema. “Medidas como essa criam um impacto. Todo mundo sabe do que se trata, mas a oportunidade de colocar o problema e encontrar políticas públicas para enfrentá-lo não estava na ordem do dia, mas na alçada das mulheres, como se elas fossem responsáveis pela violência contra si”, frisou.

Segundo ela, as campanhas tendem a inibir abordagens ofensivas. Muitas vítimas acham que não vale a pena enfrentar o processo de denúncia porque é difícil identificar e punir o agressor. “A não ser no caso de haver um sinal da agressão como a ejaculação”, frisou.

De acordo com o governo do Rio, os órgãos de fiscalização vão “atuar sempre que demandados” para fiscalizar a lei, assim como as forças de segurança, para atender às denúncias.

Antes, como forma de proteger dos abusos, o estado criou, nos trens e metrôs, um vagão exclusivo para mulheres, durante o horário de pico. Apesar de a medida ser controversa, por partir do princípio de que “todas as mulheres são vítimas e todos os homens são agressores”, era uma solução imediata para dar segurança e conforto às mulheres, disse Lúcia Xavier.

Este ano, para enfrentar a cultura que incentiva ou permite hostilidades contra as mulheres, o governo do estado também aprovou lei prevendo multas a empresas que divulgarem campanhas publicitárias consideradas misóginas, sexistas ou que estimulem a violência. Uma comissão será responsável pela análise e pode aplicar multas, além de tirar a propaganda do ar.

De acordo com a pesquisa do Datafolha, depois do transporte público, as mulheres são mais assediadas ou sofrem abusos nas ruas (33 %), na balada (19 %) e no trabalho (10%).

Por Isabela Vieira – Repórter da Agência Brasil
https://goo.gl/Yp5H4A

Ônibus vão circular com cartazes de campanha contra abuso sexual

Em ação de apoio à Lei Municipal 3.321, de 23 de outubro de 2017, que estabelece medidas de prevenção e combate ao assédio sexual de mulheres nos transportes públicos da Cidade de Niterói, o SETRERJ (Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro) vai instalar cartazes de conscientização em 700 ônibus que circulam pela cidade.

“Desde o principio da aprovação do Projeto de Lei, procuramos a vereadora Talíria Petrone (PSOL), autora do PL, para oferecer nosso apoio”, conta Márcio Barbosa, superintendente do SETRERJ. Além dos cartazes, que visam coibir o assédio sexual e a violência contra mulheres e incentivar as denúncias pelos telefones da Central de Atendimento à Mulher (180) e o SOS Mulher, da Alerj (0800-282- 0119), o SETRERJ vai disponibilizar câmeras de vídeo e sistema de GPS, quando existentes, para identificar infratores, conforme estabelecido na lei.

A Lei Municipal 3.321, de 23 de outubro de 2017, institui uma campanha permanente contra o assédio sexual no transporte público, para a conscientização e o combate aos atos de assédio sexual como forma de violência contra as mulheres nos veículos do sistema municipal de transporte público coletivo de passageiros.

Por Augusto Aguiar
Veículo: A Tribuna
Data: 04/01/2018

Campanha nos ônibus contra Assédio Sexual

Assédio não

Em ação de apoio à Lei Municipal 3.321, de 23 de outubro de 2017, que estabelece medidas de prevenção e combate ao assédio sexual de mulheres nos transportes públicos da Cidade de Niterói, o Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro vai instalar cartazes de conscientização em 700 ônibus que circulam pela cidade. “Desde o princípio da aprovação do Projeto de Lei, procuramos a vereadora Talíria Petrone (PSOL), autora do PL, para oferecer nosso apoio”, conta Márcio Barbosa, superintendente do Setrerj.

Denúncias pelo SOS Mulher

Além dos cartazes, que visam coibir o assédio sexual e a violência contra mulheres e incentivar as denúncias pelos telefones da Central de Atendimento à Mulher (180) e o SOS Mulher, da Alerj (0800-282-0119), o SETRERJ vai disponibilizar câmeras de vídeo e sistema de GPS, quando existentes, para identificar infratores. A Lei 3.321 institui uma campanha permanente contra o assédio sexual no transporte público, para a conscientização e o combate aos atos de assédio sexual como forma de violência contra as mulheres nos veículos do sistema municipal de transporte público coletivo de passageiros.

Por Claudia Cataldi
Veículo: O Fluminense
Data: 03/01/2018
Caderno: Cidades

SETRERJ apoia lei contra abuso sexual nos ônibus de Niterói

Niterói já tem sua lei de prevenção e combate ao assédio sexual de mulheres nos meios de transporte coletivo. De autoria da vereadora Talíria Petrone (PSOL), o dispositivo legal foi sancionado pelo prefeito Rodrigo Neves no dia 23 de outubro de 2017.

Em seu artigo 1º, a Lei 3.321/2017 institui na cidade de Niterói “a campanha permanente contra o assédio sexual transporte público, para o combate aos atos de assédio sexual como forma de violência contra as mulheres nos veículos do sistema municipal de transporte público coletivo de passageiros, consistente em ações afirmativas, educativas e preventivas ao assédio sexual e violência contra a mulher, sofridos no interior destes veículos”.

O SETRERJ – Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro acaba de comunicar que vai apoiar a campanha prevista pela lei municipal, dispondo-se a instalar cartazes de conscientização em 700 ônibus que circulam pela cidade.

Márcio Barbosa, superintendente do SETRERJ, conta que “desde o princípio da aprovação do Projeto de Lei, procuramos a vereadora Talíria Petrone (PSOL), autora do PL, para oferecer nosso apoio”.

Além dos cartazes nos ônibus, que visam coibir o assédio sexual e a violência contra mulheres e incentivar as denúncias pelos telefones da Central de Atendimento à Mulher (180) e o SOS Mulher, da Alerj (0800-282-0119), o SETRERJ comunica ainda que vai colocar à disposição as câmeras de vídeo e sistema de GPS.

A lei, em seu Artigo 4º, especifica isso ao determinar que “as câmeras de vídeo monitoramento e o sistema GPS dos ônibus, quando existentes, deverão ser disponibilizados para identificação dos assediadores e do exato momento do abuso sexual”.

Por Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes
Veículo: Diário do Transporte
Data: 03/01/2018

Nova Lei contra abuso sexual nos transportes ganha apoio do SETRERJ

700 ônibus de Niterói vão circular com cartazes pela campanha

Em ação de apoio à Lei Municipal 3.321, de 23 de outubro de 2017, que estabelece medidas de prevenção e combate ao assédio sexual de mulheres nos transportes públicos da Cidade de Niterói, o SETRERJ – Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro vai instalar cartazes de conscientização em 700 ônibus que circulam pela cidade.

“Desde o princípio da aprovação do Projeto de Lei, procuramos a vereadora Talíria Petrone (PSOL), autora do PL, para oferecer nosso apoio”, conta Márcio Barbosa, superintendente do SETRERJ. Além dos cartazes, que visam coibir o assédio sexual e a violência contra mulheres e incentivar as denúncias pelos telefones da Central de Atendimento à Mulher (180) e o SOS Mulher, da Alerj (0800-282-0119), o SETRERJ vai disponibilizar câmeras de vídeo e sistema de GPS, quando existentes, para identificar infratores, conforme estabelecido na lei.

A Lei Municipal 3.321, de 23 de outubro de 2017, institui uma campanha permanente contra o assédio sexual no transporte público, para a conscientização e o combate aos atos de assédio sexual como forma de violência contra as mulheres nos veículos do sistema municipal de transporte público coletivo de passageiros.

Veículo: Niterói News
Data: 03/01/2018

Aprovada Lei contra o abuso sexual de mulheres em transportes públicos

Abuso sexual é crime. Denuncie!

A Lei Municipal 3.321, de 23 de outubro de 2017, institui medidas de prevenção e combate ao assédio sexual de mulheres nos coletivos da Cidade de Niterói. As câmeras de vídeo e sistema de GPS, quando existentes, serão disponibilizados para identificar infratores.

Respeito à mulher: É de lei!

Denuncie pelos telefones:

180 (Central de Atendimento à Mulher)
0800-282-0119 (SOS Mulher Alerj)

 

Alerj aprova projeto contra o abuso sexual de mulheres em ônibus

A Alerj aprovou projeto de lei que cria o Programa de Prevenção ao Abuso Sexual e Violência nos Transportes do Rio. O programa que tem por objetivo reduzir situações de abuso sofridos por mulheres nos transportes públicos, fato cada vez mais recorrente no estado e no pais, propõe que as concessionárias de transporte coletivo divulguem de maneira clara, através de cartazes, como as vítimas devem proceder para denúncias, assim como obter imagens das câmeras de segurança dos veículos para facilitar a identificação dos suspeitos.

Nos cartazes deverá constar também número de telefone para denúncias, seja por ligação ou SMS, e ainda informações sobre outros meios de comunicação, como internet. Com isso, espera-se dar maior visibilidade dos recursos de proteção à mulher, inibir a ações dos abusadores e, ao mesmo tempo, incentivar mais a denúncia, que na maioria das vezes não é realizada exatamente pela falta de informação e orientação.

Os informativos afixados no Menor dos transportes coletivos disponibilizarão ainda os contatos da Policia Militar, da Policia Civil e da Central de Atendimento à Mulher, assim como instruirão as vítimas a guardarem informações para a identificação dos abusadores, tais como: horário, itinerários, vestimenta e possíveis características físicas.

Veículo: O São Gonçalo
Data: 21/12/2017
Caderno: Política

Decoração de Natal sobre rodas na cidade

Motorista assume o lugar de papai Noel e chama atenção no ônibus totalmente decorado pelas ruas de Niterói

Ônibus decorados encantam em Niterói antes do Natal
Cinco coletivos da cidade estão fazendo a festa dos niteroienses pelas ruas

Cerca de duas semanas antes da celebração, a decoração natalina da cidade ganhou mais um reforço, desta vez, itinerante. Há 10 anos, a Viação Pendotiba enfeita alguns ônibus que circulam pela cidade. Além da ornamentação brilhante e divertida, os funcionários embarcam na ideia e se transformam em Papal e Mamãe Noel, Neste ano, serão cinco veículos das linhas 46 (Várzea das Moças x Centro), 35 (Baldeador x Centro) e 48 (Rio do Outro x Centro).

Dirigindo o primeiro ônibus enfeitado ontem, no início da ação, estava o inspetor de tráfego Mauro Nascimento, 50 anos. Foi dele a ideia de implementar nos coletivos uma atividade que já fazia em comunidades do Rio de Janeiro. Todo ano, nas duas semanas que duram as atividades, o inspetor volta a ser motorista para participar da renovação do espírito natalino dos niteroienses.

“Fiz um dia no Ônibus e a empresa adorou, agora o diretor até nos cobra por esses veículos na rua. A população gosta muito, pede para tirar fotos, conversam e brincam, tanto quem está dentro e como fora do veiculo. Algumas pessoas até ligam para a empresa para saber nossos horários, então é muita satisfação trabalhar desta forma”, comenta Mauro, completando que as crianças pedem para esperar no ponto até que o coletivo passe.

As decorações envolvem todo o coletivo nas cores típicas da data festiva: verde, vermelho e amarelo. Além das fitas, pequenos encartes do Bom Velhinho explicam a ação. Quem também participa da comemoração é a Mamãe Noel. Entretanto, neste ano, pelo menos na
linha 48, é Vovó Noel. Participante da ação pela primeira vez, Maria Antonio de Simone Pinto, 57 anos, adorou a experiência, apesar da timidez inicial.

“Minhas colegas me falaram como era legal, mas eu não pensei que fosse gostar tanto. Faz bem essa nossa animação. Tenho quatro netos e eles estão se divertindo, já pediram fotos e disseram que vão procurar o Ônibus para participar'”, contou.

Durante toda a ação, que deve acontecer até o dia 23, outros funcionários da empresa acompanham o trajeto para que tudo dê certo. Mãe de uma menina autista, a vendedora Vera Lucia Viana da Silva, 49 anos, comenta que entrar em um ônibus decorado e animado faz toda diferença em seu dia e no de sua filha.

“É muito emotivo. Dá uma esperança de dias melhores'”, opina.

Por Carolina Ribeiro
Veículo: O Fluminense
Data: 12/12/2017
Caderno: Cidades

Setrerj Lança campanha Natal de Solidariedade

O Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj) iniciou nesta semana a campanha “Natal da Solidariedade”, que promove a doação de brinquedos e livros infanto-juvenis para as crianças que estudam ou fazem algum tipo de tratamento no Instituto Pestalozzi.

A Associação Pestalozzi de Niterói atende uma população carente de cerca de 15 mil pessoas, entre crianças, adultos e idosos, que possuem algum tipo de deficiência ou não, e na sua maioria participantes de programas assistenciais.

As doações podem ser feitas até 20 de dezembro nas salas do Setrerj em Niterói, no Terminal Rodoviário Presidente João Goulart, em Itaboraí, Rua Raimundo de Faria, 193, em São Gonçalo, na Rua Doutor Alfredo Baker, 605, ou em Maricá, na Avenida Roberto Silveira, 152, loja B.

Veículo: O São Gonçalo
Data: 30/11/2017
Caderno: Serviços

A campanha Natal de Solidariedade 2017 está nas ruas!

Natal de Solidariedade 2017

O Setrerj lançou sua campanha de Natal de 2017. Como nos anos anteriores, estamos recebendo doações de brinquedos ou livros infanto-juvenis que serão enviados para crianças que estudam ou fazem tratamento na Associação Pestalozzi de Niterói.

Passe em uma Sala Setrerj até 20/12 e participe!

Veja onde fazer sua doação:

NITERÓI
Terminal Rod. Pres. João Goulart
Av. Visconde de Rio Branco, s/n°- Centro

ITABORAÍ
Rua Raimundo de Farias, 193 – Centro

SÃO GONÇALO
Rua Doutor Alfredo Baker, 605 – Alcântara (Galeria do Atacadista Assaí)

MARICÁ
Av. Roberto Silveira, 152 – lj B – Centro

Motorista da Fagundes usa tecnologia em benefício dos passageiros

Michel da Costa no programa Encontro

O motorista Michel da Costa, da empresa Fagundes, afiliada ao Setrerj, foi um dos convidados do programa Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo. O debate foi sobre notícias falsas que são repassadas por pessoas ou por usuários de redes sociais. Michel foi o contraponto do debate. Ele ganhou destaque nas redes sociais ao criar um grupo de Whatsapp para avisar aos passageiros os horários de partida e chegada do coletivo. A interação entre os usuários permite também que eles saibam a localização exata do ônibus.

– O grupo foi criado em novembro do ano passado, mas ficou conhecido nas redes sociais em fevereiro. Começamos com pouca gente, 3 ou 4 passageiros e hoje somos 127 pessoas no grupo. Eu nunca imaginei que uma ação simples como essa pudesse um dia me levar a um programa como o da Fátima Bernardes – afirma Michel.

O programa teve como convidados a apresentadora e atriz Mônica Iozzi, a jornalista Miriam Leitão, a cantora Tania Mara e o poeta Fabrício Carpinejar. Em sua participação, o motorista Michel da Costa, que dirige na linha 777 D (Alcântara x São Cristóvão) explicou os benefícios que a criação do grupo.

– Quando tem retenção no trânsito, eu já peço para algum passageiro postar essa informação no grupo e já consigo fazer uma previsão de quando o ônibus vai chegar no ponto final. Assim, os usuários conseguem ter uma previsão da duração da viagem e planejar melhor a saída de casa ou do trabalho – declara Michel.

Michel ressaltou que durante as viagens coloca o celular no modo avião para não receber as mensagens do grupo. Para ele a boa convivência no grupo “722D” foi alcançada através do estabelecimento de algumas regras. Não é permitida a postagem de imagens de “Bom Dia” e conteúdos impróprios. O objetivo é colocar no grupo somente informações que prestem serviço aos passageiros

– A minha participação mais essencial é no começo e no fim da viagem. No decorrer do tempo, quem participa mais são os passageiros, a não ser que haja algum imprevisto ou falha mecânica. Aí eu falo quanto tempo vai levar o conserto ou em quanto tempo chegará o ônibus substituto, conclui Michel.

Acesse aqui a participação completa do motorista Michel da Costa no programa Encontro com Fátima Bernardes.

Por Carlos Ferreira, FSB Comunicação.

BR-101 no Twitter

BR-101

Os motoristas que trafegam pela rodovia BR-101 RJ/Norte podem, a partir de agora, acompanhar as condições de tráfego da Autopista Fluminense no Twitter. Por meio do perfil @Arteris_AFL, a concessionária divulga boletins de trânsito e informes especiais em casos de acidentes ou ocorrências relevantes.

Além disso, os seguidores da rede social também podem interagir com a concessionária ou buscar informações. O perfil será atualizado a partir das informações do Centro de Controle Operacional, que monitora a rodovia 24h, com 107 câmeras, e cerca de 40 veículos operacionais no trecho da BR-101 entre a divisa RJ/ES, em Campos dos Goytacazes e Niterói.

Foto: Autopista Fluminense
Fonte: A Tribuna, 23/08/17

Programa de Direção por Simulador com inscrições abertas

Programa Direção por Simulador

Atenção facilitadores, multiplicadores, monitores, instrutores ou educadores nas empresas de ônibus! A UCT está com vagas abertas para treinamento de profissionais que ainda não participaram como educadores no Programa de direção por Simulador.

Dias 11, 18 e 25 de agosto e 01 e 08 de setembro

Das 8h às 17h, na sede do Setrerj.

Inscreva-se clicando aqui.

O modelo de simulador de direção instalado no Setrerj é um dos primeiros do Brasil e já completa 4 anos de sucesso. É uma ferramenta moderna que tem trazido resultados expressivos, comprovados pelos relatórios do próprio aparelho. Uma melhoria de 50% é aparente já nas primeiras aulas.

Precisamos de sua colaboração para avançarmos juntos!

A gentileza no trânsito depende de todos nós!

Gentileza

Veja algumas dicas:

  • Retribua o cumprimento ao motorista e ao cobrador. Sua cordialidade os ajuda a enfrentar os problemas do trânsito das nossas cidades.
  • Ao entrar, tenha já em mãos o que você precisa. Procurar seu cartão RioCard ou o valor para pagar a tarifa com o ônibus em movimento pode comprometer sua segurança.
  • Ao ouvir música em aparelhos portáteis, utilize sempre o fone de ouvido.
  • Não viaje com a mochila nas costas. Evite acidentes e transtornos.
  • Ceda o lugar para idosos, gestantes, portadores de necessidades especiais ou com dificuldade de locomoção. Seja cidadão!
  • O motorista foi treinado a parar apenas nos pontos estabelecidos pela Prefeitura. O respeito a essa norma trará uma viagem mais rápida para todos.
  • Pagar a passagem com o cartão RioCard reduz seu tempo de viagem. Fique esperto!
  • Não viaje nos degraus ou junto às portas do ônibus. Para sua segurança, dirija-se sempre ao interior do veículo.
  • Não deixe lixo no interior ônibus. Esse cuidado faz parte da sua higiene. Lixo é na lixeira!
  • Os beneficiários de gratuidade (idosos, estudantes e portadores de necessidades especiais) devem sempre ter em mãos seu RioCard.

Como cliente, faça a sua parte!

Programa de Direção por Simulador completa 4 anos de sucesso

O modelo de simulador de direção instalado no Setrerj é um dos primeiros do Brasil. É uma ferramenta moderna que tem trazido resultados expressivos, comprovados pelos relatórios do próprio aparelho. Uma melhoria de 50% é aparente já nas primeiras aulas.

As empresas estão muito satisfeitas com o retorno do investimento em treinamento e motivação dos colaboradores. Os benefícios são visíveis na redução de acidentes e de gastos com operacional e logística.

Foto: Setrerj

Os profissionais que passam pelo treinamento no simulador relatam uma transformação e crescimento como profissional.

Jorge Luiz, educador do Setrerj, está há muitos anos na carreira. Em seu depoimento para a UCT, fala da sua enorme satisfação em passar seus conhecimentos aos profissionais em treinamento e ver os resultados positivos alcançados por eles.

No dia 19 de julho um evento na Fetranspor homenageou 10 educadores que se destacaram seja pela quantidade de turmas, de alunos concluídos, a didática em sala de aula e os resultados das avaliações de reação.

Merecem todos os nossos aplausos!

Veja mais:

Setrerj presta homenagem ao Dia do Rodoviário

Dia 25 de julho é dia de homenagear o profissional responsável por conduzir milhares de usuários a seus destinos diariamente. É uma tarefa que demanda habilidade e vocação. Todos os trabalhadores do setor de transporte coletivo merecem ser reconhecidos e valorizados: executivos, motoristas, equipe de manutenção etc. Deles depende a mobilidade dos cidadãos das grandes cidades brasileiras.

O Setrerj investe na valorização desse profissional através de campanhas de educação no trânsito e no treinamento utilizando tecnologia de ponta com o Simulador de Direção, que possibilita vivenciar situações idênticas às reais.

Foto: Pixabay

Os resultados do treinamento de motoristas no Programa de Direção por Simulador são expressivos. “O simulador é importante, pois sem colocar em risco o pedestre ou qualquer outra pessoa, podemos treinar os motoristas em todas as adversidades do seu cotidiano: invasão da faixa, problemas mecânicos, chuva, entre outros”, afirma o instrutor Oliveiros da Silva Bernardino.

Como usuários de transporte coletivo, precisamos também fazer a nossa parte. O respeito, a cordialidade e a gentileza com os profissionais e com os demais passageiros deve ser uma atitude diária. Dessa forma ajudamos a melhorar a convivência no interior dos coletivos e minimizar os problemas do trânsito em nossas cidades.

Aumentando a Segurança no Transporte Coletivo em Niterói: Parceria Setrerj x 12º BPM

Na última quinta feira (20/07) aconteceu, no Auditório do Setrerj, uma reunião envolvendo representantes operacionais das empresas de ônibus que circulam no município de Niterói, representante do setor de análise de segurança da Fetranspor e o Coronel Márcio Rocha, Comandante do 12º BPM que é responsável pela segurança da cidade de Niterói.

A reunião teve o objetivo de apresentar ao setor rodoviário a parceria do 12º BPM com uma ONG chamada Viver Bem, liderada por Felipe Almeida. A Viver Bem é uma associação de direito privado sem fins lucrativos organizada nos termos das leis civis do país, que possui um Centro de Monitoramento bastante moderno capaz de alcançar diversos bairros da cidade.

Atualmente parte deste Centro de Monitoramento encontra-se instalado dentro da Sala de Operações do 12º BPM. O serviço de monitoramento com as câmeras da ONG Viver Bem foi implantado no 12º BPM no dia 9 de Maio deste ano com imagens de 300 câmeras da região de Niterói, sendo monitoradas 160 câmeras por vez no telão.

O Comandante do 12º BPM, Coronel Rocha, demonstrou interesse em diminuir os índices de assalto a coletivos na região, o que também iria contribuir no atingimento das metas de roubo de rua do batalhão. Diante disto, formou-se nessa mesma reunião uma parceria entre as empresas de ônibus do município de Niterói e o 12º BPM, onde foi criado um grupo de alerta entre esses membros, que funcionará em tempo real, permitindo assim, diminuir o tempo de atendimento das ocorrências relacionadas ao transporte de coletivo e visando ainda aumentar a segurança da população de Niterói.

Foto: Setrerj

Setrerj lança Campanha do Agasalho 2017

O Setrerj lançou dia 5 de julho a Campanha do Agasalho 2017. Esse ano a campanha trabalha o tema de que, doando um agasalho, podemos doar um pouco do calor do nosso abraço para uma pessoa com frio.

As doações podem ser feitas nas Salas Setrerj até dia 18 de agosto e serão enviadas para a Associação Pestalozzi de Niterói. Participe!

Sala Setrerj Niterói: Terminal Rodoviário Presidente João Goulart. Avenida Visconde de Rio Branco, s/nº – Centro – Niterói;
Sala Setrerj Itaboraí: Rua Raimundo de Farias, 193 – Centro – Itaboraí (em frente à 1ª Igreja Batista de Itaboraí);
Sala Setrerj São Gonçalo: Rua Doutor Alfredo Baker, 605 – Alcântara – São Gonçalo (galeria do supermercado Assai);
Sala Setrerj Maricá: Avenida Roberto Silveira, 152 loja B – Centro – Maricá.

Arte: Setrerj

Fetranspor: Alunos de São Gonçalo visitam Museu do Amanhã

Na manhã do dia 11 de abril, 33 crianças da Escola Municipal Anísio Spínola Teixeira, de São Gonçalo, foram recebidas no Museu do Amanhã para uma visita guiada, acompanhadas pela diretora da escola e de mais cinco educadores. O passeio faz parte do piloto do projeto “Fetranspor Social – Transportando Educação e Cultura”, sendo o segundo do projeto e o primeiro a beneficiar estabelecimento de ensino da base do Setrerj, sindicato filiado à Fetranspor e parceiro na iniciativa.

Foto: Divulgação Fetranspor / Arthur Moura

A menina Anna Beatriz, 6 anos, ficou empolgada com a primeira etapa da visita, em que é exibido um filme que procura fazer os espectadores pensarem sobre perguntas como a origem da vida e o funcionamento do universo, e explicou que o que ela mais gostou foi de ver “as explosões” na tela em forma de abóbada. Alessandra Dutra Siqueira, 15 anos, da turma G2 01, também ficou impressionada com as nuvens que se formavam e se esvaíam no mesmo vídeo. Já Júlia Santos Lopes, 11 anos e 6º ano, gostou do aprendizado: “achei legal conhecer coisas diferentes, aprender mais, ter mais conhecimento. Isso é muito bom”.

Para a diretora da E.M. Anísio Spínola Teixeira, Tatiana Gama, esse tipo de projeto é uma excelente oportunidade para crianças e adolescentes de comunidades menos favorecidas: “Sem este programa, acredito que estas crianças não teriam oportunidade de conhecer o Museu do Amanhã”, falou, destacando a dura realidade das comunidades onde a prioridade são as necessidades básicas. O professor Dilzo Ramos, diretor adjunto da escola, reforçou: “a iniciativa é espetacular. Muito válida a escolha de alunos da rede pública”. A próxima visita do “Transportando Educação e Cultura” será ao AquaRio, com alunos do município de Nova Iguaçu e apoio do sindicato daquela região – TransÔnibus – no próximo dia 19.

O Globo: Motorista cria grupo no WhatsApp para avisar os horários do ônibus aos passageiros

Os passageiros de uma linha de ônibus que circula pela Região Metropolitana do Rio estão bem mais tranquilos depois que um dos motoristas criou um grupo no WhatsApp para avisar os horários que o seu ônibus sai do ponto inicial e chega ao final.

A linha 722D, que liga Alcântara, em São Gonçalo, a São Cristóvão, na Zona Norte do Rio, ganhou, no ano passado, um motorista de ouro que conquista a todos com a sua simpatia. Mais do que ajudar as pessoas, Michel Costa, de 36 anos, trata todos de forma especial, chamando cada um pelo nome e estabelecendo um laço de amizade com os passageiros.

— Vou contar como o grupo funciona: às 4h30, eu chego na garagem da empresa e meu ponto inicial, em Alcântara, fica a 3km de distância. Eu já sei que tem gente me esperando, então aviso quando estou saindo. O mesmo acontece quando chego em São Cristóvão. Como a viagem dura, em média, 50 minutos, os avisos sobre os horários ajudam os passageiros, porque eles conseguem prever a hora que vou passar no ponto deles — contou.

O grupo do Michel é um sucesso e já conta com mais de 120 pessoas. E esse número cresce a cada dia, segundo o motorista.

Foto: O Globo

— Todo dia entra gente no grupo. Agora mesmo tenho aqui mais cinco contatos que pediram para participar — afirmou Michel.

Dessa forma, com tantas pessoas no grupo, Michel conta que os próprios passageiros contribuem para o funcionamento do grupo, oferecendo também informações do trânsito mais relevantes, além de dizer os horários e localidades, onde o ônibus passa, para despreocupar os que ainda estão no ponto aguardando.

— Então é comum ver mensagens como “amigos do grupo, acabei de passar na ponte, tudo engarrafado”. Eles mesmos se ajudam — disse o motorista.

A ideia do grupo surgiu quando ele começou a trabalhar na Auto Ônibus Fagundes, há quase um ano. Michel conta que duas passageiras tinham um grupo no aplicativo com o motorista que estava de saída da empresa e, por ter gostado da ideia, decidiu aprimorá-la. Com isso, criou o grupo que existe hoje. No início, havia apenas 20 integrantes no grupo. Desde então, quando um passageiro novo sobe no ônibus, Michel pergunta se ele pegaria aquela linha com frequência e se gostaria de receber atualizações sobre os horários.

— Os passageiros ficavam com medo de assalto ou de acontecer algum acidente e precisarem esperar muito tempo no ponto sem ter nenhum conhecimento sobre onde o ônibus está. Mas agora, com o grupo, coloco o horário de saída, então o passageiro já fica sabendo. Se acontecer um acidente com um dos carros da linha, por exemplo, eu aviso para eles não se preocuparem — explicou.

Durante parte do dia, o motorista descansa na empresa, onde tem o alojamento e refeitório e, em seguida, volta para o serviço. Dessa forma, por ter levado diversos de seus passageiros para o trabalho pela manhã, no turno da noite, muitos deles pegam a mesma linha para voltar para casa.

— Tem gente que espera para ir comigo, já fizemos um laço de amizade. É muito gratificante.

Michel até mesmo estabeleceu regras de conduta no grupo e, para que sempre haja uma boa convivência, com respeito entre os integrantes. Por isso, aqueles que são administradores do grupo acabam vigiando o teor das mensagens recebidas.

— Se alguém falar uma palavra de baixo calão, eles vão repreender quem desrespeitou as regras.

Sucesso também nas redes sociais

O grupo do Michel caiu nas graças dos passageiros. O designer Gabriel Coutinho, de 29 anos, registrou em uma rede social, na tarde desta segunda-feira, o quanto o Michel fez a diferença em seu cotidiano, não apenas por causa do grupo no WhatsApp, mas também pela forma como ele trata os passageiros.

“Existem pessoas boas e trabalhadoras honestas nesse país/mundo sim. E como é bom você poder ver isso”, ele começa a publicação antes de dar início à história do Michel e do grupo que tanto ajuda a sua rotina.

“Se você precisa pegar esse ônibus diariamente, ele se prontifica a pegar um pedacinho de papel e caneta que possui em seu bolso e pede pra você anotar para que ele te adicione no grupo e nunca fique na mão”, explica como ocorre a abordagem.

Gabriel ressalta, ainda, o profissionalismo e o bom-humor do Michel.

— Pode ser que ele demore a responder pois ele só pega no celular quando chega nos pontos final/inicial para mandar mensagem para o grupo — afirmou Gabriel.

“Muito obrigado Michel por me fazer ficar surpreso todos os dias na minha volta pra casa, com seu profissionalismo diário e preocupação com todos nós passageiros! Você é o cara!!”, conclui Gabriel em sua publicação na rede social.

O Globo: Levantamento do Setrerj mostra que linhas que vão para o Rio são as mais assaltadas

Um relatório compilado pelo Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj) e obtido pelo GLOBO-Niterói mostra em detalhes o que o morador já sabe: entrar e sair da cidade de ônibus se tornou uma atividade de risco. Os dados listados pelo sindicato, que reúne empresas de cinco municípios (Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Tanguá e Maricá), apontam que linhas intermunicipais são mais visadas pelos assaltantes do que as que percorrem apenas vias municipais. Em 2016, a Auto Viação 1001, que opera 14 linhas intermunicipais entre Rio e Niterói, contabilizou 76 assaltos, uma média de seis casos por mês. Outra importante companhia que liga os dois municípios, a Viação Pendotiba contabilizou 25 assaltos no mesmo período.

A comparação dos números com anos anteriores não é possível porque o Sistema de Acompanhamento de Frota em Emergência (Safe) começou a funcionar em julho de 2015, explica o superintendente do Setrerj, Márcio Barbosa. Os dados, porém, reforçam os registros oficiais do Instituto de Segurança Pública (ISP): nas cinco delegacias de Niterói, foram registrados 391 roubos a ônibus em 2016, uma alta de 78% em relação aos 291 de 2015. Este ano, segundo o Setrerj, já houve, até segunda-feira passada, 81 roubos.

Foto: O Globo

Segundo Barbosa, o Safe foi montado pela Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Rio (Fetranspor) porque se constatou um aumento grande do número de assaltos no primeiro semestre de 2015. Desenvolvido em parceria com o Disque-Denúncia, o Safe registra todos os detalhes da ocorrência e aciona as forças de segurança pública. A partir dos dados gerados pelo programa, o Setrerj contabilizou 931 assaltos a seus ônibus no ano passado. Algumas empresas não aparecem no relatório, entre elas a Expresso Garcia, que opera as linhas intermunicipais 709 (Charitas – Candelária), 750 (Santa Rosa – Estácio), 565 (Santa Rosa – Passeio) e 703 (Santa Rosa – Vila Isabel), as duas últimas também com frescões. De acordo com Barbosa, se a empresa não está na lista é porque seus coletivos não foram assaltados. Ele explica que não há sub-notificação dos casos, uma vez que a divulgação dos números é do interesse das companhias. O superintendente do Setrerj enfatiza ainda que os intermunicipais são mais visados pelos ladrões:

— As tarifas são mais altas, o que atrai os criminosos.

Algumas linhas são especialmente perigosas. A 740D (Charitas – Ipanema), da Auto Viação 1001, foi mais assaltada em 2016 (16 casos). Em seguida vem o frescão da linha 760D (Charitas – Galeão), com 15 registros; seguido por 775D (Charitas – Gávea, via Lapa), com 11 casos; e a linha 910, o frescão do Itaipu – Castelo, com oito roubos. Na Viação Pendotiba, os assaltos aconteceram principalmente nas linhas 38 (Itaipú – Centro) e 770D (Itaipu – Candelária), com seis casos de assalto cada. Logo atrás vem o 771D (Pendotiba – Candelária), com cinco casos. A viação Rio Ita, que faz trajetos mais longos, saindo de Itaboraí e passando tanto pela Niterói – Manilha como pela Alameda São Boaventura, foi a empresa que mais registrou assaltos em 2016. Foram 379 casos. A maior incidência foi no frescão da linha 926D (Venda das Pedras – Candelária), com 26 registros.

Pessimismo do setor

Barbosa ressalta que, se 2010 foi ruim, 2017 também não começou bem. De acordo com ele, foram 69 assaltos em janeiro, mais que o dobro dos 33 casos registrados no mesmo período do ano passado. Até a última segunda-feira, o Setrerj contabilizava 12 assaltos. Na totalidade de fevereiro de 2016, foram 63:

— O número de assaltos tem aumentado muito. Infelizmente acho que vamos bater os números de 2016 neste ano.

Obrigado a pegar ônibus diariamente até o Rio, Diego Brito se tornou parte das estatísticas de 2017 na última terça-feira. Ele pegou um frescão da Viação 1001 na Praia de Piratininga. Até deixar Niterói, a viagem estava tranquila, mas, na chegada ao Rio, no trecho entre o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) e a Rodoviária Novo Rio, dois homens entraram no ônibus e anunciaram o assalto.

— Pelo menos um estava armado. O outro não consegui ver, porque estava na contenção do motorista. Eles disseram que tinham uma granada, mas não a vi — conta Diego. — Assaltaram todos os passageiros, levando celular e aliança de quem tinha.

Depois do assalto, Diego avalia trocar os ônibus pelas barcas. Isso, porém, significa mais baldeações, o que ele gostaria de evitar.

— Essa linha está muito visada. Na verdade, esse tipo de ônibus, frescão, está sendo assaltado direto — avalia ele. — Inclusive, vim conversando com um passageiro que desceu no mesmo ponto que eu. Ele disse que tinha sido assaltado no 1001 na semana passada.

O jornalista Leonardo Silva, que já fora assaltado há cerca de dois anos, num frescão da linha 740, da Braso Lisboa, voltou a ser vítima num coletivo da linha 775, o Gávea, via Lapa, da Viação 1001, dia 15 de dezembro, na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio, quando voltava para Niterói.

— Voltava de Botafogo quando uma dupla fez sinal no último ponto antes de o ônibus virar para a Leopoldina. Um dos homens rendeu o motorista fingindo estar armado e o outro subiu pela porta traseira e pegou os celulares dos passageiros. Foi tudo muito rápido. Algumas pessoas reclamaram, dizendo que o motorista não devia ter parado ao sinal da dupla, mas outras o defenderam — relata.

Polícia Rodoviária Federal: casos frequentes no Caju e na Niterói-Manilha

Porta-voz da Polícia Rodoviária Federal do Rio de Janeiro, José Hélio Macedo diz que os assaltos a ônibus ocorrem com mais frequência na altura do Caju, no Rio, com anúncio do roubo já na Ponte Rio-Niterói; e na BR-101, trecho da Niterói-Manilha próximos à ponte, geralmente, de criminosos que embarcam em São Gonçalo. Morado diz que o combate a este tipo de crime é uma das prioridades da PRF no Rio. Os policiais baseados em Niterói aumentaram em 53% o número de prisões em 2016 em comparação ao ano anterior: foram 377 contra 245, segundo a Delegacia da PRF, baseada na Ponte Rio-Niterói.

— A região de Niterói e São Gonçalo está vivendo um problema mais amplo de aumento na violência, que não é só da rodovia. Isso é notório. Temos intensificado o trabalho da polícia e trabalhado muito com o 7° BPM (São Gonçalo) nos acessos à BR.

Em novembro, a PRF anunciou que aumentaria o número de motociclistas atuando no trecho Niterói-Manilha, que vinha sendo alvo de arrastões. A corporação também estuda deslocar sua base na altura de Itaúna , em São Gonçalo, para uma área mais próxima ao pedágio de Manilha. A unidade foi alvo recentemente de ataques de traficantes.

O Globo: Criança é usada para assaltos a ônibus na Avenida do Contorno, em Niterói

NITERÓI — Uma criança que aparenta ter 10 anos está sendo usada como chamariz para assaltos a ônibus na Avenida do Contorno, em Niterói. Imagens de câmeras obtidas pelo GLOBO-Niterói mostram como funciona a abordagem, no primeiro ponto após a descida da Ponte Rio-Niterói. Elas foram registradas em dois ônibus no último domingo.

Em um dos casos, uma criança faz sinal para o ônibus e, quando ele para, ela entra acompanhada do assaltante. O criminoso então aponta uma arma para o motorista, que repassa o dinheiro. Um passageiro se assusta e corre para os fundos do ônibus. Em seguida, o menor passa por baixo da roleta e aborda os passageiros, mas, aparentemente, não leva nada. A ação dura 38 segundos, começa às 13h46. No segundo vídeo, às 13h39, é a própria criança quem tira o dinheiro do caixa do ônibus.

Foto: Reprodução de vídeo

No ano passado, segundo o Instituto de Segurança Pública, foram registrados em Niterói 391 roubos a ônibus, uma alta de 78% em relação aos 291 casos registrados em 2015. O ano de 2016 foi o que teve o maior número de registros deste tipo desde 2011, quando foram registrados 588 casos. Segundo o Sindicato da Empresas Transportes Rodoviários do Estado do Rio (Setrerj) foram 931 roubos em coletivos em 2016. O sindicato abrange linhas municipais e intermunicipais de Niterói e São Gonçalo.

O GLOBO-Niterói já mostrou como a insegurança nos ônibus se tornou um problema sério para o morador da cidade. Em outubro, constatou-se que, por ordens de traficantes, motoristas de algumas linhas mantêm as câmeras de vídeo encobertas em determinados trechos do itinerário próximos a locais dominados pelo tráfico.

O Globo: Liberação das faixas seletivas a carros de passeio atrasa viagens de ônibus em Niterói

NITERÓI – Criadas para agilizar a vida do usuário do transporte público, as faixas seletivas estão com papel cada vez mais acanhado na cidade. Em trechos com trânsito carregado, como Fonseca e Centro, a orientação da Niterói Transporte e Trânsito (NitTrans) aos guardas é a de, nos horários de pico, liberar as pistas exclusivas também aos veículos particulares. O impacto da medida é sentido no dia a dia dos usuários, principalmente por quem passa pela Alameda São Boaventura. Lá, segundo levantamento do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários (Sintronac), a travessia dos 3,1 quilômetros de corredor viário leva cerca de 40 minutos, 25 a mais do que o tempo gasto com o uso adequado das seletivas. Para especialistas, a alternativa que beneficia os carros de passeio é um contrassenso à política de incentivo ao transporte público.

Tudo o que é preciso para resultar num engarrafamento pode ser observado na Alameda. Incrustada num bairro de grande densidade demográfica, a via é repleta de comércio e serve de passagem para quem vai e vem de municípios vizinhos, como São Gonçalo; da Região dos Lagos; e do Norte Fluminense. Não à toa, o número de ônibus ali impressiona: dados da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor) apontam que mais de 60 linhas passam diariamente por lá, entre municipais e intermunicipais. A solução para melhorar o fluxo foi o corredor viário construído em 2010, projetado para triplicar a velocidade média dos coletivos ao longo do trecho. Atualmente, no entanto, os ônibus perderam o privilégio justamente nos horários mais importantes: das 6h às 14h, todas as faixas no sentido Centro são liberadas. O sentido oposto é aberto a partir das 14h.

Foto: O Globo

— É um contrassenso. Para implantar a faixa nesses moldes, é melhor não fazer nada. Essa é uma das ações que ajudam a estabelecer a primazia do transporte público sobre o privado. Se é esse o mote, não pode permitir o uso indiscriminado da faixa no horário de pico. O objetivo deve ser favorecer o transporte coletivo, submetendo seus usuários a um menor tempo de viagem — avalia José de Oliveira Guerra, do departamento de Engenharia de Transporte da Uerj.

Ainda segundo Guerra, quando os corredores viários são efetivos, o cidadão passa a considerar deixar o carro em casa. Para isso, ele explica, é desejável oferecer uma velocidade de tráfego notavelmente maior para os ônibus do que aos outros automóveis. Quem utiliza o transporte público concorda com a estratégia. A estudante de Psicologia Amanda Torres mora no Fonseca e sente o desgaste de perder horas no trânsito. Diariamente ela pega o horário de pico para ir e vir de Botafogo:

— Se você tira o único privilégio que a gente tem no transporte público, o serviço, que já não é tão bom, fica ainda pior e mais cansativo. Eu sempre notei como a faixa seletiva é um adianto, porque via os carros parados e os ônibus andando.

Além do Fonseca, a cidade tem faixas seletivas no Centro (nas avenidas Feliciano Sodré e Visconde do Rio Branco) e em Icaraí (na Rua Gavião Peixoto e na Avenida Roberto Silveira). No Centro, a pista exclusiva da Avenida Visconde do Rio Branco começa na altura do Terminal Rodoviário João Goulart, para absorver o volume de ônibus que saem de lá. O radar eletrônico instalado naquele ponto e que flagrava as infrações está desativado. A prefeitura informa, por nota, que o fato de um radar fixo estar momentaneamente sem operar não significa que a via está livre de fiscalização. Ressalta ainda que radares móveis também são utilizados. Naquele ponto, por volta das 18h, agentes de trânsito passam a direcionar os carros de passeio para a pista destinada aos coletivos. Um dos que estavam operando no local na última terça-feira justifica:

— Sem esse procedimento, o trânsito fica carregado até as 20h, 21h, e a cauda de veículos vai até a Feliciano Sodré. Com a liberação, às 20h a Feliciano Sodré já está livre. Atrasa um pouco os ônibus, mas melhora muito para os carros.

Professor de engenharia de transporte da Coppe/UFRJ, Paulo Cezar Ribeiro rebate:

— Se levar em consideração o número de pessoas que passam num determinado ponto, vai passar menos gente se você abrir (a seletiva) aos carros do que se você deixar livre para os ônibus. No conjunto, somando os usuários de automóveis com os passageiros dentro de ônibus, vai passar menos gente.

Cerca de 60 batidas por mês

Motorista da linha 731D (Charitas-Candelária, via Fonseca), Carlos Maurício dos Santos diz que o número de viagens que faz por dia caiu de três para duas com a complicação do trânsito:
— Na hora de pico, para tudo. Antes, fluía para os ônibus. Principalmente durante o horário de rush, tem que haver exclusividade.

Santos diz ainda que são frequentes os casos de batidas leves com veículos de passeio na Alameda São Boaventura, porque os mesmos não respeitam a preferência do ônibus na saída das baias centrais, em que passageiros embarcam e desembarcam. A queixa do motorista vai ao encontro das estatísticas do Sintronac. Segundo o sindicato, todo mês ocorrem cerca de 60 pequenas batidas envolvendo ônibus na Alameda.

— Existe um conflito entre carro de passeio e transporte coletivo, e a prefeitura não está sabendo administrá-lo. Os grandes centros urbanos priorizam o transporte público, enquanto aqui estão beneficiando o carro particular — diz Rubens dos Santos Oliveira, presidente do Sintronac.

A NitTrans explica que os guardas são orientados a liberar faixas seletivas apenas quando há fluxo intenso de trânsito. Destaca ainda que seus canais de comunicação vêm recebendo apoio de passageiros e motoristas de ônibus devido à fluidez do tráfego em horários de pico. A NitTrans ressalta que uma faixa segregada em uma via congestionada não garante fluidez na seletiva, pois o tráfego fica represado nos locais de saída, gerando um verdadeiro nó ao trânsito.