Vozes de referência

Ana Cláudia Guimarães
O Globo, 25/08/19

“A educação vai te abrir portas! Seremos pessoas melhores se aproveitarmos essas oportunidades”. Foi impossível não se inspirar com os discursos dos alunos de instituições federais de ensino na 3ª edição da Manhã do Futuro, do movimento #TamoJunto9ºano, do IJCA, voltado a alunos da rede pública.

Viação Coesa explica como recuperar objetos perdidos nos seus carros

A Viação Coesa está divulgando os canais adequados para contatar em caso de objetos perdidos em seus ônibus. Diariamente, seus funcionários encontram carteiras, chaves, celulares, guarda-chuvas, documentos, óculos, entre vários objetos curiosos.

No  caso de perda ou esquecimento de algum bem, é possível tentar resgatá-lo através de diversos canais: o Fale ônibus, da Fetranspor (0800 886 1000); o  WhatsApp (21) 99861-4714, o e-mail faleconosco@coesa.com ou o telefone (21) 2601-4114, todos da Coesa; ou ir até a sede da empresa, na Estrada das Palmeiras, 151, no bairro Itaúna, em São Gonçalo.

A Coesa orienta seus colaboradores para, no caso de encontrar algum item perdido, levar até a garagem da empresa para que possa ser armazenado adequadamente até que o proprietário venha buscá-lo. O usuário que perdeu algum objeto dentro do veículo deve entrar em contato por um dos canais informados acima, fornecer informações relevantes como data e hora do ocorrido, qual linha estava utilizando e o sentido da linha.

“Nós registramos os chamados e fazemos a busca com base nos dados. Encontrando o objeto, a Coesa informa o passageiro para realizar a retirada na sede da empresa”, informa o diretor da Coesa, Guilherme Tonello Alencar Rosa.

O prazo para retirada de objetos é de até 160 dias. Após esse período, cada objeto tem um destino: os documentos são enviados aos Correios; os Cartões TRI e isenções são encaminhados à Associação de Transportadores de Passageiros (ATP); roupas, livros e celulares sem chip são encaminhados para doação; chaves, cartões de banco e chip de celulares são destruídos.

SETRERJ repudia mais um ônibus queimado como manifestação

Na última segunda-feira, mais um ônibus foi atacado em Niterói, como ato de manifestação da população, após a morte de um adolescente na comunidade da Grota, em troca de tiros entre a polícia e traficantes.

O incêndio criminoso aconteceu por volta das 17h30, na Avenida Franklin Roosevelt, em São Francisco, Niterói. Durante a ação, foi queimado um ônibus da linha 37 (Parque da Colina x Centro), climatizado.  No incêndio do carro ninguém se feriu.

Com este caso, sobe para 197 o número de ônibus incendiados no Estado do Rio desde 2016, dos quais apenas sete veículos foram recuperados e retornaram à operação. Do total, mais de 40% eram climatizados. O custo de reposição supera R$ 85 milhões, recursos que poderiam estar sendo investidos na melhoria do transporte público com a renovação da frota.

A população é a maior prejudicada com a redução da oferta de transportes. Um ônibus incendiado deixa de transportar cerca de 70 mil passageiros em seis meses, tempo necessário para a reposição de um veículo no sistema.

A inexistência de seguro para esse tipo de sinistro e a crise econômica do setor, que tem feito as empresas perderem gradativamente a capacidade de investimento em renovação da frota, tornam inviável a reposição de ônibus incendiados.